sábado, 20 de fevereiro de 2010

Os Simpsons, o filme, na visão do Mito do Herói



Sinopse: A cidade de Springfield é coberta por uma cúpula, colocada sobre ela por causa da poluição do lago. O responsável pela desgraça é Hommer Simpson. Isso atrai o ódio da cidade. Para obter sua redenção perante os habitantes de Springfield e sua família, Hommer deverá salvá-la.

Advertência anti spoiler: leia esta artigo somente após ter visto Simpsons – O Filme, pois revela partes importantes dele. E, se não viu, não vai entender nada. Sugestão; veja o filme, leia o artigo, reveja o filme.

Joseph Campbell, consultor da série Guerra nas Estrelas e amigo pessoal de George Lucas, descreveu em um de seus livros (O herói de mil faces) o processo comum a várias mitos de heroísmo descritos em várias culturas. Ao ver o filme longa de Os Simpsons, reconheci imediatamente as fases de um tipo de herói, descrito neste livro. Hommer é caracteristicamente um protagonis que necessita de uma redenção e num primeiro momento recusa sua missão. Também pode ser visto como Percival na busca do Santo Graal: o heroísmo vem do personagem mais tolo e inicialmente desprezado pela comunidade onde está inserido.
Hommer é um herói trágico (paradoxalmente...) pois deverá combater, tal qual Édipo, o mal que ele mesmo causou.

Limiar da aventura: o herói é arrancado de seu cotidiano

Qual é o cotidiano de Hommer Simpson?
Hommer é um caricatura do americano médio típico. É machista, autoritário com o filho, trabalha num emprego monótono (mas não importa), sua diversão consiste em ir no bar do Moe e comer rosquinhas. Ele é tudo, menos um herói.
Seu cotidiano é perturbado pela visão de seu pai na igreja: uma desgraça que atingirá a todos em Springfield. Aqui encontramos a intervenção do sobrenatural, indicando que, a partir dali, nada mais será normal.
Hommer, como todo herói trágico, ignora as predições, fazendo pouco caso delas. Como complemento das predições está a campanha de Lisa contra a poluição do lago e os esforços de Marggie para compreender as palavras confusas do sogro.

Primeira fase da aventura: a profecia se cumpre

Ignorante de seu destino, Édipo, ou melhor, Hommer irá ao encontro dele. Um dia vê na lanchonete um porco com o qual se afeiçoa. Parte da predição fala de um um rabo encaracolado. Hommer como sempre exagera no que faz: leva o porco para dentro de casa e junta toda a bosta dele num silo. Este silo, que o Sr Simpson irá jogar no lago é o suficiente pra atrair o grande mal, representado pelo governo americano, na pessoa do diretor da Agencia de Proteção Ambiental, Russ Cargill.
Nesta fase, também se estabelece um princípio de confronto com um opositor que é sangue de seu sangue. Siegfried enfrentará, mais cedo ou mais tarde, seu irmão. Bewolf, seu filho. Édipo, seu pai. Ou melhor, é estabelecido um confronto onde são rejeitados os laços de sangue entre Bart e Hommer.

A desgraça prevista acontece: a cidade de Springfield é coberta por uma cúpula e isso atrai o ódio da população em relação a Hommer e sua família.
Vencer o ódio da população de Springfield e transpor a cúpula é primeira prova do herói. Neste trecho claramente ele encontrará auxiliares -- Ned Flanders, Marggie, Meg e Lisa -- e opositores -- toda a população de Springfield, o governo americano, Bart (em uma posição ambígua) e o porco.

Segunda Fase: ida ao paraíso

Escapar da polícia e dos agentes do governo é segunda prova. A terceira é transpor uma prova no globo da morte, para conseguir dinheiro para seguir em frente. A fuga será um sucesso levando o herói a um falso clímax: o encontro do paraíso (representado pelo Alasca). No Alasca terá a vida ideal que sempre desejou.

Terceira fase: a quebra do paradigma do paraíso alcançado

Algo perturba esta paz. Springfield pode ser destruída! No mito do herói, ele deve retornar e salvar seu povo. Ele pode aceitar ou recusar a missão. A recusa será o caminho de Hommer. Só que a recusa tem um preço alto a ser pago.

Ainda que o paraíso (ou o Alasca) seja uma maravilha, Ulisses, digo, Hommer deve voltar! Num primeiro momento, devido sua obstinada recusa, ele perderá seus aliados, ou seja sua família e tudo parecerá perdido. O confronto com Bart é aumentado e ganha contornos mais definidos. Hommer, abandonado e só, joga-se à própria sorte num bloco de gelo num rio.

Quarta fase: encontro com guia espiritual

Porém ocorre uma intervenção mágica do destino. Uma mulher-xamã esquimó encontra Hommer às margens do rio e o resgata. Ela tem o papel de um iniciador, um mestre, que mostrará seu verdadeiro caminho.

Usando uma técnica de respirar rapidamente face a face com seu “paciente”, a xamã tenta levar Hommer a um estado alterado de consciência (essa técnica existe mesmo, e o respirar face a face aumenta a presença de CO2 , gerando uma alucinação por hipóxia).

Hommer deverá obter uma epifania (ou um satori): uma súbita descoberta de uma verdade. Durante sua vivência, ele sofrerá um processo de desmembramento, muito característico de vários heróis. Eles são partidos em pedaços e depois reconstruídos ou “renascidos” com uma outra visão de mundo. Este processo, do ponto de vista da jornada do herói, é o melhor trecho filme dos Simpsons.

Quinta fase: o retorno

O retorno tem tantos desafios quando à partida. Hommer percorre um longo caminho e quase desiste ao perder seus cães que puxam seu trenó. Sem rumo ou esperança, Hommer recebe novamente uma intervenção divina, a xamã aparece-lhe como uma imagem nos céus, apontando o caminho correto.
Hommer fracassa na tentativa de salvar sua família, presa pelo governo americano. Ao retornar não é bem recebido por aqueles que deseja sinceramente salvar. O confronto com Bart aumenta.

Sexta fase: redenção

Usando recursos que aprendeu a utilizar em sua jornada – o globo da morte, por exemplo, Hommer impede a destruição de Springfield e resgata seu respeito perante sua família e, principalmente Bart.

Conclusão

Obras de ficção, especialmente aventuras, costumam seguir uma das muitas variações em torno do mito do herói. Por que? Primeiramente por que os escritores e roteiristas em geral são humanos e tem em seu inconsciente esta necessidade da busca do herói. Em segundo lugar, como isto vem sendo estudado desde Jung, os diretores e escritores racionalmente procuram remeter os espectador a esta busca, visando principalmente a identificação da platéia com um dos personagens da trama. Isso ocorreu com George Lucas (que espertamente contratou Joseph Campbell, considerado por muitos o maior de todos os mitólogos) e certamente ocorreu com Os Simpsons.

Podemos apontar alguns motivos para a segunda opção. George Lucas honestamente afirma que ele queria criar um novo mito que atingisse várias gerações (de fato ele conseguiu), uma garantia de emprego e de fortuna por muito tempo. Outro motivo é que é mais fácil de criar um enredo. Ele já foi escrito por milhares de contadores de história antes.
Simpsons, o filme é bem característico neste aspecto. Eles tinham que espichar um episódio de quinze minutos em uma hora e trinta de filme.

Outro recurso utilizado para esta espichação foi acrescentar enredos paralelos, ás vezes muito mal costurados na trama, como o romance de Lisa por um garoto. E a aproximação Flanders-Bart X afastamento de Hommer como pai (que frequentemente aparece em vários episódios). Desta vez, Bart foi inserido na busca do herói como um dos motivadores de Hommer.

Mesmo assim ainda não deu... Que tal colocar dez minutos de créditos finais, cheio de piadas metafóricas? E gastar dois minutos da abertura, xingando os espectadores de otários?


Álvaro A. L. Domingues
Publicado originalmente no Homem Nerd em 25/03/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário